Escuela de Arquitectura
Universidad Católica del Norte

Docomomo

Simpósio Arqueologia na Paisagem: novos valores, dilemas e instrumentais

Simpósio Arqueologia na Paisagem: novos valores, dilemas e instrumentais pretende ser um foro de discussões centradas nos estudos da arqueologia na paisagem a partir de articulações entre as disciplinas da arqueologia e do paisagismo. Almejando a apreensão e a interpretação da paisagem através do embasamento teórico metodológico específico – no sentido de compreender como ocorre sua construção, apropriação e, preservação –, acreditamos que a partir destas reflexões, possamos contribuir para difusão das pesquisas pertinentes ao tema, apresentando resultados de pesquisas arqueológicas que incorporam no escopo de seus trabalhos a temática paisagem. Desta forma, buscamos viabilizar a inter-relação das áreas de conhecimento com a troca e as experiências entre os profissionais envolvidos nas práxis destas pesquisas. Os resultados deste simpósio serão integrados ao corpo de discussões do Grupo de Pesquisas História do Paisagismo – GPHP, da Escola de Belas Artes/UFRJ, que desde 2003 vem articulando atividades na área acadêmica relacionados ao tema paisagem. 
 

A chave de leitura do simpósio propõe discutir questões ligadas aos conceitos e às práticas que se dão na paisagem, sejam eles elaboradas tanto no campo da arqueologia quanto do paisagismo. Tradicionalmente, os objetos de interesse da arqueologia são os restos materiais produzidos pela ação humana ao longo do tempo. Estas “coisas”, que são recuperadas pela pesquisa arqueológica, fazem parte de um universo material que sobreviveu de um passado distante ou recente, até o tempo presente e podem se manifestar sob a forma de objetos ou paisagens, os quais resultam da ação humana. Neste sentido, todos os fenômenos do mundo material que constituem um substrato fundamental para a nossa existência são objetos de estudo da arqueologia. A partir dos vestígios deixados por estas intervenções humanas – construções, gravuras, pinturas, sepultamentos, entre outras - e as suas relações com os aspectos naturais do lugar em que estão, pode-se abordar questões relativas à forma e ao caráter de como as pessoas interagem com o ambiente em que vivem, e como constroem e reconstroem o cotidiano de suas paisagens.
 

Recorte Temático

A abordagem proposta para esse debate já vem sendo difundida entre os arqueólogos, paisagistas e demais estudiosos que se debruçam sobre esse campo. Todavia, nos trabalhos ligados à intervenção na paisagem no Brasil sobretudo aqueles relacionados às obras de intervenção paisagísticas, esse contexto parece não ocupar o seu devido lugar de destaque e, consequentemente, não se mostra como um elemento fundamental a todo e qualquer tipo de interferência que se faça na paisagem, por qual seja o processo de transformação que a mesma irá ser submetida. 
 

A observação e o questionamento deste tema se tornou um ponto relevante para investigar a natureza do campo disciplinar da arqueologia e sua inter-relação com as demais áreas de conhecimento e, em especial, os seus desdobramentos tanto  pelos  aspectos teórico-conceituais quanto, pelo caráter prático. 
 

Interpretamos que a essência do tema abrange ainda círculos estreitos de profissionais, em geral inscritos à esfera acadêmica, restrita a arqueólogos ou a profissionais de variadas áreas, ligados aos órgãos institucionais públicos e privados que lidam com o assunto no âmbito  do patrimônio ambiental e urbano. Logo, os conceitos e teorias da arqueologia voltadas para o estudo da paisagem, sobretudo no contexto das intervenções nela praticadas, carecem de uma maior representatividade e identificação por parte dos profissionais que atuam diretamente na sua transformação cotidiana 
 

A difusão das questões que envolvem esse campo de trabalho não aparenta ser proporcional à importância em que repousa o assunto. Há uma urgência em nos apropriarmos dos elementos que formalizam esse estudo na intenção de melhor instrumentalizar àqueles que trabalham efetivamente na construção da paisagem, seja qual for o nível de atuação e a esfera de interferência.
 

Considerando a complexidade do assunto e a necessidade de sua difusão, o Grupo de Pesquisa História do Paisagismo da Escola de Belas Artes - GPHP-EBA/UFRJ, oferece ao meio acadêmico e profissional, no simpósio Arqueologia na Paisagem: novos valores, dilemas e instrumentais,  um olhar singular sobre esse campo temático associando, os discursos e a práxis de pesquisadores e profissionais que atuam no campo da arqueologia e do paisagismo. 
 
O intercâmbio de idéias pretende explorar os conceitos, teorias e as práticas dos atores que transitam nesse universo, na intenção de reconhecer a extensão e do campo disciplinar da arqueologia voltada para o estudo, a construção e a apropriação da paisagem.
 
O simpósio Arqueologia na Paisagem: novos valores, dilemas e instrumentais será um encontro acadêmico em âmbito nacional, que pretende trabalhar com as variações deste recorte temático a partir da seguinte discussão: 
 
O simpósio Arqueologia na Paisagem: novos valores, dilemas e instrumentais será um encontro acadêmico em âmbito nacional, que pretende trabalhar com as variações deste recorte temático a partir da seguinte discussão: 
 

  1. Dimensionar em qual estágio se encontram as pesquisas voltadas ao tema do simpósio; 
  2. Evidenciar os métodos, técnicas e práticas empregadas nas análises dos sítios arqueológicos no Brasil;
  3. Identificar como as pesquisas nesse campo de trabalho têm contribuído, e se tornado ferramentas úteis para Intervenções paisagísticas;
  4. Reconhecer quais as novas perspectivas que o tema potencializa na produção de conhecimento, as quais venham dar suporte teórico, conceitual e prático nas disciplinas que tratam da paisagem e, em especial da arqueologia e do paisagismo. 

Questões e abordagens

Os eixos temáticos do Simpósio pretendem viabilizar discussões a partir de quatro enfoques específicos

  1. Arqueologia na paisagem: as dimensões, os limites e os valores de um campo disciplinar;
  2. Leituras arqueológicas e a recomposição da paisagem construída;
  3. A arqueologia no estudo da paisagem: diálogos entre a academia e os gestores do patrimônio;
  4. Modelos conceituais e análises arqueológicas na compreensão da paisagem urbana.

 
Para tanto, serão considerados  nesse debate, os conteúdos, as causalidades, as percepções e as manifestações que se dão na paisagem, buscando assim compreender as materialidades que nela se consubstanciam como um artefato.
 
 
Programa do Simpósio


Quinta-feira, 02 de dezembro

  • 10h00     Abertura
  • 10h20  – Sessão I
  • Arqueologia na Paisagem: as dimensões, os limites e os valores de um campo disciplinar
  • Mediadora:  Profª. Flavia Braga (GPHP-EBA/ UFRJ)
  • 10h30   Dr. Andrés  Zarankin (Arqueólogo – UFMG)
  • 11h10   Dr. Marco André Torres (Pós-Doc. Museu Nacional/UFRJ)
  • 11h50   Mediação da Sessão
  • 12h15   Livre 

 

  • 14:20 - Sessão II
  • Leituras arqueológicas e a recomposição da paisagem construída
  • Mediadora:  Profª. Lia Gianelli (GPHP-EBA/ UFRJ)
  • 14h20    Me. Julia Wagner Pereira (Historiadora-UNIRIO)
  • 15h00    Me. Roberto Pontes Stanchi (Iphan-MG)
  • 15h40    Drª. Nelsa Cardoso (Bióloga – PUC-RS) 
  • 16h20    Intervalo 
  • 16h40    Mediação da Sessão
  • 17h10    Encerramento
  • 19h00   Jantar de Adesão

  
 
Sexta-feira, 03 de dezembro

 

  • 10:00  – Sessão III
  • A arqueologia no estudo da paisagem: diálogos entre a academia e os gestores do patrimônio 
  • Mediadora: Drª.  Ana Pessoa (Fundação Casa de Rui Barbosa)
  • 10h00    Drª. Rosana Najjar  (Arqueóloga – Iphan)
  • 10h40     Drª. Maria Dulce Gaspar (Museu Nacional/UFRJ)  
  • 11h20     Drª. Silvia Moehlecke Copé (NUPArq-IFCH/UFRGS)
  • 12h00     Mediação da Sessão
  • 12h30     Livre

 

  • 14h20 – Sessão IV 
  • Modelos conceituais e análises arqueológicas na compreensão da paisagem urbana
  • Mediador: Profª. Jeanne Trindade  (GPHP/EBA - Unesa - PCRJ)
  • 14h30    Me. Maria Cristina Coelho  (Arquiteta e Urbanista - FIOCRUZ)
  • 15h10    Drª. Ana Cristina de O. Sampaio (SAMN/UFRJ)
  • 15h50    Me. Jackeline Macedo (Doutoranda em Arqueologia, MAE/USP)
  • 16h30    Intervalo  
  • 16h50    Mediação da Sessão
  • 17h30    Encerramento do Simpósio, Comitê Organizador

 
 
Informações Gerais


Local: Casa de Rui Barbosa - Rua São Clemente 134, Botafogo - Rio de Janeiro
Inscrições através do endereço eletrônico: arqueologianapaisagem@gmail.com                                                                                                                                                                
Valor das Inscrições: Estudante: R$ 25,00 – Profissionais: R$ 50,00 - Serão conferidos certificados aos participantes.                                                                                                    
Maiores Informações: http://www.casaruibarbosa.gov.br/ e http://acd.ufrj.br/historiadopaisagismo/home.htm